sexta-feira, 9 de junho de 2017

Uma Donzela Virgem em Cheapside (1613)


Imagem: Detalhe do Mapa Agas (1561).
Cheapside é a via larga no centro. A Catedral de St,Paul está embaixo, à esquerda, e a residência dos Middleton ficava no cruzamento de Ironmonger e Ketton, no topo e à direita.

Crítico moralista da decadência dos costumes, do molde que todos tempos produzem, Thomas Middleton dá, no entanto, uma vitalidade a seus decaídos da graça que confere uma ambiguidade cínica à denúncia. O humor negro e a farsa se unem para compor um teatro direto, de linguagem ao rés-do-chão - muito mais dependente de monossílabos do que a de Shakespeare, certamente - e ainda assim de enorme riqueza dramática, bastante para lhe conferir proeminência no palco londrino após a aposentadoria do "homem de Stratford", com quem havia colaborado.

Uma Donzela Virgem em Cheapside ((A Chaste Maid in Cheapside, 1613) é como uma culminação pessoal no gênero conhecido como "comédia urbana", marcado pela ambientação local, pela sátira de costumes, e pela exposição do capitalismo nascente. Seus outros grandes representantes foram Ben Jonson, Thomas Dekker, e John Marston, e Middleton já o abordara em comédias como A Mad World My Masters, Michealmas Term e A Trick to Catch the Old One, além da colaboração com Dekker, The Roaring Girl. Trata-se de um triunfo de trama quíntupla: a virgem titular e seu amor contrariado; Amâncio em sua dependência de prostituir a esposa; Oliver Secco e esposa dependendo de um filho para receber uma herança; Espoleta Sênior e sua fertilidade excessiva; e Tim e seu casamento com a Dama Galesa; isso sem contar episódios deliciosos como o do batismo ou o dos fiscais de quaresma.

É uma divertida peça que se propõe aqui trazer para nosso idioma, tecida com humor negro, cinismo e tons sombrios de um lado, mas de uma vitalidade pulsante e uma celebração da vida e de Londres de outro. Tudo isso permeado de muito sexo, em liguagem e em ação.

Aqui se pode conferir o texto em inglês na edição online de Chris Cleary.
ttttt0

Lista de Personagens

Uma Donzela Virgem em Cheapside
(A Chaste Maid in Cheapside1, 1613)

Personagens
Sr. DOURADO2, um ourives
ROSINHA3, sua esposa
TIM4, filho deles
MARIA5, filha deles
Um TUTOR, de Tim
SIR WALTER Cachorrão6, um fidalgo, pretendente de Maria
SIR OLIVER Secco7
LADY SECCO, sua esposa, parente de Sir Walter
Sr. José AMÂNCIO8
SRA. AMÂNCIO, sua esposa (ambos mantidos por Sir Walter)
Uma DAMA GALESA, amásia de Sir Walter
WALTINHO, CARDO, e a bebê, bastardos de Sir Walter com Sra. Amâncio
DAVI Venká9, lacaio de Sir Walter
ESPOLETA10 SÊNIOR, um cavalheiro decaído
SRA. ESPOLETA, sua esposa
ESPOLETA JÚNIOR, outro pretendente de Maria
Dois FISCAIS11 de Quaresma
Dois CRIADOS DE AMÂNCIO
Dois CRIADOS DE SIR WALTER
Quatro CRIADOS DE SIR OLIVER
CRIADO DO DOCEIRO
Um PASTOR
Três ou quatro REMEIROS
Sims, o MENSAGEIRO
Dois HOMENS com cestas
Um CAVALHEIRO
SUSANA, criada de Dourado e dama de companhia de Maria
Uma MOÇA, com um bastardo de Espoleta Sênior
Jana, a CRIADA de Lady Secco
AMA SECA e AMA-DE-LEITE
Duas PURITANAS (Senhora Umporcima12 sendo uma delas)
Cinco COMADRES13

Personagens mudos
Criados de Dourado
Uma Parteira

1Cheapside fica no coração da city, refletindo a preocupação da comédia urbana com a burguesia em detrimento de nobreza e realeza. A ironia do título é dupla, uma vez que “uma donzela em Cheapside” seria visto como uma contradição, pela reputação da área, e “donzela virgem” é uma aparente redundância, desmentida pelas referências a jovens se apegando às aparências de virgindade. “Chaste”, ou “casta”, também faz trocadilho com “chased”, “perseguida” (pelos pretendentes e pelos pais após suas fugas) e tem efeito aliterativo com “Cheapside”.
2Yellowhammer, indica sua atividade e, além disso os ciúmes da filha (geralmente, esposa). Designava ainda “moeda de ouro”.
3Maudlin, deriva da figura chorosa de Maria Madalena, indicando sentimentalismo (irônico) e passado sombrio. Como a cor rosa é associada entre nós a sentimentalismo e inocência feminina, Rosinha funciona melhor do que Madalena.
4Tim indicava tamanho diminuto (ver 4.1.99) e era usado como termo depreciativo.
5Moll é um diminutivo de Maria. Mas enquanto Maria aponta para virgindade, Moll era associado a mulheres de má reputação, como a heroína de The Roaring Girl (1611), de Middleton e Dekker.
6Walter se prununciava “water” (líquidos são um motivo recorrente). Whorehound indica sua lascívia desregrada.
7Oliver Kix, um oxímoro, uma vez que Oliver sugere fertilidade e Kix, secura. O mesmo nome figura em A Trick to Catch the Old One (1605).
8Allwit, aponta para a inversão “wittol”, ou “corno manso”, mas indica também esperteza. Nomes com “wit” em sua composição figuram em A Trick to Catch the Old One (Witgood) e A Mad World my Masters (Follywit); Ben Jonson também os usa em Bartholomew Fair (Littlewit) e The Devil is an Ass (Wittipol).
9Dahumma, soa como “vem cá” em galês.
10Touchwood: (1) material inflamável, (2) espoleta de mosquete, (3) pessoa passional, (4) bater na madeira, ter sorte.
11“Promoter”: “informante”, originalmente “advogado”. Fiscalizavam o cumprimento das leis da Quaresma.
12Underman, ou “sob um homem”. “Puritano” era um termo pejorativo para reformistas extremos do anglicanismo. Eram caricaturados no teatro, e a ele opostos. Middleton revela religiosidade em sua sátira dos vícios, mas o zelo excessivo e vazio se incluía entre eles.

13A palavra “gossip” podia designar: (1) padrinho, (2) madrinha, (3) compadre, (4) comadre, (5) convidadas do batismo.

1.1 Uma Donzela Virgem em Cheapside

1.1

Entram Rosinha e Maria, uma loja é descoberta1.
ROSINHA 
A senhorita praticou suas lições ao virginal?2
MARIA 
Sim.
ROSINHA
Sim, você tem sido uma parva por esses dias, penso que precisa de algo p'ra avivar3 essa anemia4; tá chorando? Um marido. Não tivesse tal pedaço de carne sido instituído, para que de bom serviríamos nós esposas? Para verdura, ou então sermos apregoadas por aí como temperos5. Está tudo mudado nestes tempos! Quando eu era da sua mocidade, eu era ligeira, e fecunda, dois anos antes de casar. Até parece que você se presta à cama de um fidalgo! Semblante sonolento, olho mortiço e espírito embotado! Aposto minha vida que esqueceu sua dança6: quanto tempo faz que esteve com você o dançarino?
MARIA 
Uma semana.
ROSINHA 
Isso tudo? Quando eu tinha seu calibre7,
Ele não me falhava uma noite, me ocupava;
Eu me deleitava em aprender, ele em me ensinar;
Um belo moreno, tinha prazer em minha companhia;
Mas você é devagar, não tem ligeireza alguma,
Dança como uma filha de encanador, e merece
Duas mil libras em chumbo pro casamento,
E não em artigos de joalheiro.
Entra Dourado.
DOURADO 
Ora, qual é balbúrdia entre mãe e filha, hein?
ROSINHA 
Ora, bobagem, apontando a Maria seus delitos.
DOURADO 
Delitos”!8 Não, a city9 não lhe basta, hein mulher,
Você precisa ir buscar palavras em Westminster;10
P'ra mim, basta, acredite.
Nenhum escriba de advogado aqui esteve
E trocou a meia-coroa11 que ganhou da mãe,
Ou então te enganou com uma de dois pence folheada,12
P'ra por em voga a palavra para suas faltas
E fissuras no dever e na obediência?
Chamemos assim, doce esposa.
Assim como não há mulher feita sem falha alguma,
O mais puro linho desfia, e cambraia fura.13


ROSINHA 
Mas é marido que calafeta toda fissura.
MARIA 
Como, ele chegou, senhor?
DOURADO 
Sir Walter chegou.
Foi visto na Ponte Holborn14, e estava na companhia
De bela e composta senhorita, a qual imagino,
Dado o pelo rubro e outras luxuriâncias,15
Ser sua sobrinha (com terra!) que vem de Gales,
Que seu Tim, o guri de Cambridge, vai desposar.
São núpcias pensadas pelo próprio Sir Walter,
Que a ele nos ata, e a nossos herdeiros.
ROSINHA 
É uma honraria então, fosse a rapariga humilde,
E o beijasse com devoção quando ele entrar.
Eu não consigo, por minha vida!
Instruí-la a por as mãos assim, na frente e atrás,
Tal como esperam os fidalgos, na frente e atrás.
Eu sempre digo a ela, é um meneio de mulher
Que costuma mover um homem, e faz efeito.
Mas, meu bem, o senhor mandou nota a Cambridge,16
Tim foi avisado?


DOURADO
Foi desde o dia seguinte àquele em que você enviou a ele a colher de prata p'ra tomar sua sopa no salão, na seção dos abastados17.
ROSINHA 
Oh, em bom tempo.
Entra um Mensageiro.
DOURADO 
O que seria?
MENSAGEIRO 
Uma carta de um cavalheiro de Cambridge.
DOURADO 
Oh, um dos mensageiros de Hobson18, é bem-vindo.
Eu disse a você, Rosa, que receberíamos notícias de Tim. [Lê carta] Amantissimis charissimisque ambobus parentibus patri et matri.19
ROSINHA 
Do que se trata?
DOURADO 
Não, por minha alma que não sei, não me pergunte:
Ele ficou verbal demais; esse estudo é uma bruxa.
ROSINHA 
Deixa eu ver, por favor, eu costumava entendê-lo.
Amantissimus charissimus: mandei este camarada, diz ele; ambobus parentibus: buscar um par de botas; patri et matri: paguem e mandem.20


MENSAGEIRO 
Sim, pelos céus, minha senhora, não há como interpretar isso, eu me esforcei um bocado, e venho da estalagem Bell21 suando. Deixa eu tentar, já que fui acadêmico quarenta anos atrás; é assim, garanto: matri, mandem; ambobus parentibus, buscar um par de botas; patri, paguem; amantissimis charissimis, mandei este camarada, e seu nome é Sims, e nisso ele diz a verdade, meu nome é mesmo Sims; não esqueci todo meu estudo. Questão de dinheiro, eu sabia que ia acertar.
DOURADO 
Você é uma raposa velha! [Dá dinheiro a ele.] Toma um tester22.
MENSAGEIRO 
Se eu ver o doutor na Feira do Ganso23, eu tenho umas passarinhas pro senhor.
DOURADO 
Ora, você mora em Bow?
MENSAGEIRO 
A vida toda, senhor; e quando em Bow, 'cê tá convidado a foguear o ganso.24 Adeus ao doutor.
Sai Mensageiro.
DOURADO 
Um mensageiro divertido.
ROSINHA 
E como poderia ser diferente, vindo com cartas de Cambridge do nosso filho Tim?
DOURADO 
O que é isto aqui? [] Maximus diligo25. Santa misericórdia, eu devo buscar aconselhamento gabaritado para esta questão, ou nunca se discernirá isso.


ROSINHA 
Busca meu primo então, na Escola de Direito26.
DOURADO 
Que! Lá são cheios de francês27, não falam latim.
ROSINHA 
Então o vigário vai conseguir.
Entra um Cavalheiro com uma corrente.
DOURADO 
Não, ele renega,
Acha latim coisa de católico, não passa perto.
[Ao Cavalheiro] De que precisa, senhor?
CAVALHEIRO
Rogo, pese esta corrente.
Entram Sir Walter Cachorrão, Dama Galesa e Davi Venká, e conversam à parte.
SIR WALTER 
Aí, meu bem, seja bem vinda ao coração
Da cidade de Londres.
DAMA GALESA
Duw cato chwi.28
SIR WALTER 
Você pode agradecer em inglês, se quiser.
DAMA GALESA
Posso, de modo simples.
SIR WALTER 
Vai dar de sobra, meu bem;
Seria estranho eu ir pra cama contigo tanto
E te deixar sem inglês; seria desnaturado.
Eu te crio para te transformar em ouro, meu bem,
Fazer seu fado brilhar tal sua ocupação.
Joalherias fabricam donzelas da city.
Davi Venká, nem uma palavra.
DAVI 
Mudo, senhor.
SIR WALTER 
[À Dama Galesa] Aqui você deve passar por virgem.
DAVI [À parte]
Pura virgem galesa,
Ela perdeu o cabaço em Rhompimenshire29.
SIR WALTER 
Que está a ruminar, Davi?
DAVI 
Tenho dentes, senhor,
Não preciso ruminar por mais quarenta anos.
SIR WALTER [À parte]
O puto está afiado.
DOURADO [Para o Cavalheiro]
Seu preço, senhor?
CAVALHEIRO
Cem libras, senhor.


DOURADO 
Cem marcos30 no máximo, do contrário não me interessa.
Sai o Cavalheiro. Sir Walter se aproxima.
Ora, Sir Walter Cachorrão?
MARIA
Pela morte! [Sai.]
ROSINHA 
Filha!
Nossa! Essa rapariga!
Sai Dourado atrás de Maria.
[A Sir Walter] Garota arredia; jovens são desconfiadas.
Além disso, o senhor tem uma presença, Sir Walter,
Capaz de intimidar uma donzela da city;
Entra Dourado, trazendo Maria.
Nobres almas da corte as fazem tremer,
E abraçar com as coxas sacodindo31. Lá vem ela.
SIR WALTER [A Maria]
Ora, vem cá, bela senhorinha, agora eu te peguei.
Como, calunia tanto seu tempo fugindo
Assim de seu fiel criado?
DOURADO 
Ih, tais palavras, fidalgo, vão fazê-la corar,
Soam elevadas demais pras nativas da city32.
Honra”, “fiel criado”, esses são elogios
Pras damas importantes de Whitehall ou Greenwich.
Palavras da lida, simples e suficientes, nos servem.
E esta nobre dama é sua distinta sobrinha?
SIR WALTER 
O senhor pode abordá-la nesses termos; sim, é ela,
Herdeira de dezenove montanhas.
DOURADO 
Oh, bênção!
O senhor me cumula de amor e de riquezas.
SIR WALTER 
E todas tão altas quanto a St. Paul33.
DAVI [À parte]
Olha o golpe!
SIR WALTER 
O que disse, Davi?
DAVI 
Mais altas, senhor, de longe: não dá p'ra ver o cume delas.
DOURADO 
O que, homem! Rosa, saúda esta nobre dama,
Nossa nora se tudo der certo.
Entra Espoleta Júnior.
ESPOLETA JÚNIOR [À parte]
Meu fidalgo, com uma parelha de lacaios,
Cá veio conseguir pra ovelhinha34
Um carneirão chifrudo em Londres; eu devo ter pressa,
Ou então passar fome. Na carne ela35 me tem,
E isso me assegura. Fidalgo, tal rico espólio
Para mim está reservado.
Sussura algo a Maria.
MARIA 
Senhor?
ESPOLETA JÚNIOR [À Parte a Maria]
Não me busque até que o possa fazer na lei, isso só aguça meu apetite, que tão afiado já está. [Entrega um bilhete36] Leia com atenção este bilhete, não me levante suspeita, nem reconheça meu zelo alhures que em seu peito; leia, e envie sua reação em três palavras, estarei pronto a recebê-la.
DOURADO [A Sir Walter]
Oh, Tim, senhor, Tim!37
Um simples rapaz normal, vai à universidade,
Atinge na Quaresma o Bacharelado em Artes;
E será chamado de Sir Dourado, então,
Por toda Cambridge; isso já é meia fidalguia.38
ROSINHA 
Gostaria de se aproximar e provar da recepção da city, senhor?
DOURADO 
Vem, bom Sir Walter, e sua virtuosa sobrinha.
SIR WALTER 
É fino aceitar cortesias.
DOURADO 
Mulher, entra com eles.
SIR WALTER 
Sua companhia, senhor.
DOURADO 
Eu lhes concedo em breve.
Saem Maudline, Sir Walter, Davi e Dama Galesa.
ESPOLETA JÚNIOR
[À parte] Como se intrometem o diabo e as riquezas;
Pobre alma, duro cárcere, o olho da mãe
É cruel com ela, ao ser a ele gentil.
Seria engraçado fazê-lo trabalhar
Em um anel de casamento p'ra ela. E vou.
Antes que o lucro coubesse a qualquer estranho,
É honestidade minha enriquecer meu sogro.
DOURADO [À parte]
A garota é teimosa demais; o que temo
Mais que tudo é que já tenha outros amores,
complica-se tudo; deve-se acompanhar;
Não se pode ter cuidado demais com os filhos.
[A Espoleta Júnior] Do que precisa?
ESPOLETA JÚNIOR 
[À parte a Maria] Oh, nada agora, tudo que desejo está presente.
[A Dourado] Preciso de um anel de casamento para uma nobre,
Com a rapidez que for possível.
DOURADO 
De que peso, senhor?




ESPOLETA JÚNIOR 
Algo como meia onça39;
Belo e composto, com o lume dum diamante.
Senhor, seria uma pena estragar tal graça.
DOURADO 
Por favor, deixe-me ver;
[Toma o diamante.] De fato, senhor, é dos puros.
ESPOLETA JÚNIOR 
Como a senhorinha.
DOURADO
Tem a espessura do dedo40 dela?
ESPOLETA JÚNIOR 
Pois sim, eu já tomei com ela as medidas necessárias.41
[Procura um papel] Pelos céus, escondeu-se, não posso mostar,
Precisava por tudo p'ra fora p'ra ter certeza.
Deixe-me ver: longos, esguios, de nós bem compostos,
Uma nobre senhorinha tal e qual sua filha, senhor.
DOURADO 
E portanto, senhor, nobre alguma.42
ESPOLETA JÚNIOR 
Garanto jamais ter visto duas moças de mãos tão similares;
Não procuro mais, se o senhor o consentir.




DOURADO 
Se ousar investir no dedo dela43, senhor.
ESPOLETA JÚNIOR 
Sim, e assimilo as perdas, senhor.
DOURADO 
É o que diz, senhor? Vem até aqui filha!
ESPOLETA JÚNIOR 
Ouso pedir um instante seu dedo, nobre dama.
MARIA 
A seu dispor, senhor.
ESPOLETA JÚNIOR 
[Experimenta o anel no dedo dela.]
Entrou direitinho44, senhor.
DOURADO 
E o que vai gravar, senhor?
ESPOLETA JÚNIOR 
Nossa, tem isso, a gravação; assim, senhor:
Amor, se for sagaz,
Cega os olhos dos pais.”
DOURADO 
Ora, o que? Se puder falar sem ofensa, sir,
Por minha vida que...
ESPOLETA JÚNIOR 
O que, senhor?
DOURADO 
Vamos, me perdoa?
ESPOLETA JÚNIOR 
Perdoar? Mas claro, senhor.
DOURADO 
Perdoa mesmo?
ESPOLETA JÚNIOR 
Sim, garanto.
DOURADO 
O senhor vai roubar a filha de alguém, estou quente?45
Por que se vira? Esses jovens da nobreza são uns pândegos;
Não sei como conduzem a coisa tão à surdina,
E os pais se cegam tanto, mas eles merecem,
Pois têm dois olhos e de enxergar se esquecem.
ESPOLETA JÚNIOR 
[À parte] Que lhe caiba seu destino.
DOURADO 
Meio dia amanhã estará o anel pronto.
ESPOLETA JÚNIOR 
Sendo assim, é logo; grato, [Para Maria] sua licença doce nobre.
Sai.
MARIA 
Não foi nada, senhor.
[À parte] Fora eu feita de desejos, iria contigo.
DOURADO 
Bem, vejamos como corre lá dentro a folia.
MARIA [À parte]
Lá perco o que ganhei; me foge toda alegria.
Saem.
1Provavelmente uma cortina é removida, ou uma estrutura está no palco, coberta por um pano.
2Instrumento musical. Espécie de cravo compacto de mesa.
3“Quicken”, comporta ainda uma sugestão de gravidez.
4Conhecida como “green sickness”, a anemia era associada a donzelas apaixonadas.
5“Verdura” corresponde a “salads”, saladas eram associadas à impropriedade por serem condimentadas. “Temperos” corresponde a “samphire”, que denota duas plantas diferentes, uma usada em saladas, outra posta em conserva e apreciada como acompanhamento de carne de carneiro, “mutton” (gíria para prostituta ou mulher experiente). “Samphire” é ainda apontada como provocando micção e desejo por carne, dois motivos da peça.
6Música e dança eram atividades aristocráticas, mas o motivo de envolvimento entre professor e aluna era recorrente, aparecendo em A Megera Domada. “Dança” era ainda gíria para cópula.
7Talvez Rosinha, sendo obesa, ressalte a magreza da filha, com sentido sexual anatômico.
8“Errors”; vocábulos de origem latina eram prestigiados. “Delitos” evita a incongruência de uma palavra banal em português (“erros”) com a reação de Dourado, e se relaciona com as referências ao meio jurídico nas linhas seguintes.
9A “city”, personagem de toda comédia urbana (“city comedy” ou “citizen comedy”), indicava Londres e o espaço da burguesia em oposição a corte e campo, igreja e universidade. Dinâmicas de classe são tema central no subgênero.
10O distrito das cortes de justiça.
11A unidade monetária padrão inglesa é a libra. No sistema que vigorou até 1971, uma libra () equivalia a 20 xelins (shillings, “s”, do latim solidus), e cada xelim a 12 pênis (penny/pence, “d”, do latim denarius). A meia-coroa era uma moeda de ouro valendo um oitavo de libra, ou seja, 2s 6d.
12A moeda de dois pence era bem menor que a meia-coroa, de modo que, mesmo folheada, seria estupidez confundi-las.
13Proverbial: não há nada que não esteja sujeito ao tempo ou prescinda de cuidado. A insinuação é sobre a fidelidade da esposa, que, em sua visão machista, só poderia ter aprendido a palavra “errors” com outro homem.
14No caminho de quem vem de Gales, a Ponte Holborn passa por sobre Fleet Ditch, um rio canalizado poluído. Era uma área pobre, e lugar de prisões, como as mencionadas Bridewell (2.1.144) e Newgate (2.2.94). Smithfield, onde ocorria a Feira de São Bartolomeu, retratada por Ben Jonson, também fica próximo.
15Cabelo vermelho tem alta incidência em Gales, e era associado à luxúria. “Luxuriâncias” corresponde a “rank descriptions”, que aponta ao mesmo tempo para distinção social e baixeza moral.
16Middleton estudou em Oxford, e todos seus estudantes ridículos são da rival Cambridge, 80km ao norte de Londres.
17“Gentlemen commoners”, termo usado na verdade em Oxford; em Cambridge se chamavam “pensioners”. Tinham separação nas refeições, uniformes distintos, e pagavam mais.
18Personagem real que provinha transporte e correios entre Londres e Cambridge. A expressão “escolha de Hobson” se disseminou, em referência à suposta impossibilidade de escolher os cavalos.
19“A pai e mãe, ambos mui amados e amorosos pais.”
20Foram feitas adaptações em relação ao original para que a “interpretação” soasse similar ao latim.
21Estalagem usada por Hobson na operação de seus srviços.
22Moeda com valor de seis pence, ou meio xelim.
23Realizada em Stratford-le-Bow. “Ganso” (“goose”), podia denotar tolo ou prostituta, e reforça a sugestão sexual em português por um caminho diferente. Já “bow”, ou seja, “arco” era gíria para a genitália feminina.
24“Boo to a goose” brinca com conteúdo proverbial e com os dois sentidos sexuais apontados na nota anterior.
25Mau latim, provavelmente para “Amo-os muito.”, ou “maxime diligo”. Alguns editores corrigem o latim de Tim e seu tutor, mas os erros são provavelmente intencionais e evidenciam a inépcia dos dois.
26As “Inns of Court” eram escolas de Direito e forneciam parte considerável do público dos teatros.
27O meio legal usava uma língua híbrida chamada “Law French”. Sugere-se também a sífilis, ou doença francesa, jogo que pareceu incontornável.
28Próximo a “Fica com Deus” em galês. Forma de agradecimento.
29Brecknockshire, um dos condados galeses. Como “nock” era gíria para o órgão feminino, e “Breck” remete a “brake”, ou “romper”, há uma sugestão de defloramento (em paralelo com uma refrência mais explícita).
30O marco é uma medida monetária, e não uma moeda, correspondendo a dois terços da libra, ou 13s 4d. O contraste entre a libra, que deriva de uma medida de peso, e o marco, meramente uma abstração, reflete o capitalismo nascente.
31“Abraçar” substitui “kiss”, que tinha sentido secundário de cópula, enquanto “trembling thighs” era referência ao coito em pé. A opção por “abraçar com as coxas “ acaba sugerindo uma posição diferente.
32“Daughters of the freedom” é uma delimitação geográfica e social (ver nota a 1.1.20); refere-se à licença necessária para manter negócio, e assim à burguesia e ao espaço da city.
33Proverbial. A catedral anglicana de São Paulo fica no ponto mais alto de Londres, nas proximidades de Cheapside.
34“Ewe-mutton”. A carne de ovinos adultos, “mutton”, além de associada a Gales, indica larga experiência sexual. A relação entre carne e sexo, ambos ilícitos, é um dos motivos da peça.
35Maria. “Her blood is mine” indica desejo sexual e possivelmente sugere sua consumação.
36O bilhete provavelmente contém planos de fuga.
37“Tim” é emenda ao “turn” do in-Quarto, ou seja, “vire-se” (no sentido de convidá-lo a entrar, talvez).
38“Half a knight” reflete o fato de que os graduados podiam usar o título “Sir” seguido do sobrenome, enquanto os verdadeiros fidalgos, como Sir Walter e Sir Oliver, podiam usá-lo com o prenome.
39Medida de massa. No padrão “troy”, usado para metais preciosos e gemas, equivale a aproximadamente 31g.
40“Finger” brinca com o sentido de “pênis”, conferindo a ela a “posse” da genitália do parceiro, e sugerindo contato sexual, sugestão contemplada na linha seguinte. Ver 1.1.128 e nota.
41“Her measure” brinca com o sentido fálico de “vara de medição”, buscou-se criar outra brincadeira com “medida”.
42Ou seja, ela é da classe mercante. Dourado pode (1) estar sendo humilde por estratégia comercial, ou (2) demonstrar ciúmes de Maria, pretextando incompatibilidade..
43Ainda ecoa o sentido fálico; “venture” sugere risco financeiro, e reflete a mentalidade de sua classe.
44“To a hair” denota justeza, exatidão, e sugere pêlos púbicos. A expressão reaparece em 2.3.6.

45Tão quente que esse alguém é ele mesmo.